“De fato, quanto maior o IMC (Índice de Massa Corporal), maior o risco de ter um tumor.” Explica o Dr. Abdon Murad Jr. E é identificado cerca de oito tipos de câncer relacionados ao excesso de peso e obesidade, sendo eles:

No estômago;

No fígado;

Na vesícula;

No pâncreas;

No ovário;

Meningioma (tipo de tumor cerebral);

Tireoide e mieloma múltiplo (câncer que afeta um subtipo de células da medula óssea, os plasmócitos).

Se a redução de peso ocorrer  ao longo dos anos, então há possibilidades de reduzir o risco de desenvolver a enfermidade. A incidência de câncer devido ao excesso de peso ou obesidade é mais ampla do que se acredita atualmente.

A obesidade e o câncer estão diretamente ligados. O risco de se ter câncer é extenso. Abdon Murad Junior menciona que a gordura aumenta o índice de estrogênio, testosterona e insulina, promove inflamação, e esses fatores podem levar ao crescimento do tumor.

Na maioria dos tipos de câncer listados, os pesquisadores notaram a seguinte relação: quanto maior o IMC (Índice de Massa Corporal), cresce o risco de ter um tumor. Homens e mulheres com excesso de peso têm chances semelhantes de desenvolver um câncer.

Os resultados são válidos para todos os continentes. Em 2002, o mesmo grupo encontrou evidências suficientes da ligação do excesso de peso com o risco de desenvolver câncer de cólon, esôfago, rim, mama e útero.

No mundo, estima-se que 640 milhões de adultos e 110 milhões de crianças sejam obesas. Estilo de vida. Praticar exercícios pode ter um impacto na redução do risco de câncer.

Os fatores do estilo de vida, ter uma dieta saudável, manter um peso saudável e praticar exercícios, além de não fumar, podem ter um impacto significativo na redução do risco de câncer.

Os esforços de saúde pública para combater o câncer devem se concentrar nisso.” “Perder peso é difícil para muitas pessoas” diz Abdon Murad Jr.

Na rotina muitas pessoas acabam “relaxando” o seu comportamento alimentar. Por exemplo, ao pular o café da manhã, você pode desequilibrar a rotina alimentar. Quanto mais tarde comemos, maior a probabilidade de que ganhemos peso.

Não porque estamos menos ativos à noite, como muitos acreditam, mas por conta de nosso relógio biológico. O corpo humano está programado de forma que manejamos com maior eficiência as calorias durante o dia, quando há luz, do que à noite, quando está escuro.

Durante a noite, nosso corpo tem mais dificuldade de digerir gorduras e açúcares. Na última década, a hora do jantar no Reino Unido, na média, passou das 17h para às 20h, e isso contribuiu para o aumento nos níveis de obesidade do país.

O efeito visual também é outro fator que concerne nessa fator. Existem formas de mudar o comportamento alimentar inconsciente em vez de apenas contar calorias. Uma estratégia, é eliminar as tentações visuais.

Isso pode ser mais efetivo do que confiar na nossa força de vontade consciente. É mais fácil “cair em tentação” tendo alimentos cheios de açúcar e gordura por perto .

Portanto é recomendável simplesmente não ter alimentos pouco saudáveis em casa, no ambiente de trabalho ou na bolsa. É melhor ter sempre uma fruta ou algo leve por perto, caso tenha fome do caminho para casa ou no trabalho.

Na cozinha, deixar os alimentos saudáveis à vista também aumenta as chances de você consumi-los. Temos uma tendência de comer sem pensar. Então uma boa ideia é tentar evitar ao máximo o hábito de comer coisas pouco saudáveis “automaticamente”, escondendo comidas gordurosas ou muito doces ou mesmo diminuindo o tamanho do prato.

Mas, no lugar de ficar desanimado e desistir, aqueles que lutam para emagrecer poderiam se concentrar em evitar ainda mais ganho de peso, não negligenciar sua saúde é extremamente importante, deve ser um alerta para si mesmo.

Mas sim, se tivesse um caminho fácil, ou mesmo que meio fácil, todos nós teríamos realizado eles até agora. Em segundo, se você tem em mente que qualquer intervenção que tentemos precisa de evidências científicas, você pode ir embora agora.

A maioria das evidências que temos é a evidência da falha; o registro de tentativas de conter a obesidade é sombrio. Quase nada funciona em longo prazo. Nós estamos, todos nós, atirando do escuro.

Muitas pessoas não acreditam que estão acima do peso. Há um par de pontos, se não brilhantes, um pouco menos nebulosos. A indústria de alimentos precisa mudar as embalagens, e  os restaurantes devem deixar o número de calorias dos pratos visíveis em seus cardápios. Mas coisas como essa, provavelmente não farão tanta diferença, mas nós esperamos que, se fizermos o suficiente dessas coisas, isso possa gerar alguma mudança.

Essa é a realidade abaixo do esperado: nós precisamos de uma abordagem mulifacetada, apesar do fato de que nenhuma medida individual ter sido bem-sucedida. Alimentos multiprocessados necessitam de impostos altos, para então diminuir o número de pessoas obesas atualmente.

Segundo Abdon Murad, ele diz: “Várias mudanças sociais promoveram a cultura de que qualquer comida está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, em enormes porções e em um preço baixo notável.” Não é possível ainda podermos reverter essas mudanças sociais por decreto do governo, sendo elas mudanças sociais, consequentemente são um trabalho para a sociedade, mas são quase inatingíveis mudanças realmente significativas.

Há um estudo recente em que “a obesidade está aumentando o risco de morte significativamente por todas as causas”.  Cerca de 5,8% entre os 94% das pessoas obesas que não são metabolicamente saudáveis. Para contextualizar: vale a pena lembrar que a maioria dos fumantes, de 85% a 90%, não tem câncer de pulmão, ainda que fumar seja o maior fator de risco para a doença. (também vale a pena ressaltar:  mesmo pessoas obesas metabolicamente saudáveis têm risco maior de desenvolver doenças).

E fazer dieta restritiva engorda mais do que emagrece. Focar no peso é focar na saúde: a questão é como podemos fazer isso de uma maneira que seja favorável, construtiva e gentil. A resposta, é focar no ambiente alimentar que te cerca.

Mesmo que responsiva referente a condições externas, de acordo com Abdon Murad Júnior, ele diz: “O correto é focarmos também em nós mesmos. Como podemos reverter essa situação em um sistema caótico como o nosso? A alimentação mesmo que ultraprocessada, deve ser levada como um dos fatores primordiais para exercícios físicos regulares, e consequentemente consultas mais frequentes com seu médico”, conclui.

https://abddonjosemuradjunior.blogspot.com/2019/09/sabia-que-segundo-onu-populacao-mundial.html

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui