As agências bancárias que funcionam em Salvador terão que organziar filas respeitando uma distância mínima de um metro entre os clientes em atendimento e aqueles que estiveram aguardando na parte externa. A medida é parte de um decreto municipal publicado em edição extraodinária do Diário Oficial do Município. Os responsáveis pelos bancos terão que fazer sinalização horizontal disciplinadora e utilizar demais ferramentas que se mostrem necessárias. Quem não cumprir o decreto terá aus agências interditadas.

De acordo com o decreto, os bancos localizados em shoppings centers e similares, que são credenciados para o pagamento de auxílios municipais, estaduais ou federais, poderão funcionar para atendimento aos beneficiários desde que haja acordo com os estabelecimentos comerciais – para isso, também terão que cumprir as mesmas regras de distanciamento e organização das filas. 

A medida já havia sido anunciada pelo prefeito ACM Neto, e começa a valer nesta sexta-feira (3). Nesta quinta (2), durante a inauguração de uma unidade de saúde em Itapuã, ao lado do governador Rui Costa, o prefeito voltou a cobrar um compromisso maior das instituições bancárias no enfrentamento ao coronavírus e no suporte ao cidadão diante das restrições da atividade econômica. 

“Os bancos serão interditados e terão atividades suspensas pela Prefeitura se não cumprirem o decreto. No início da crise, os próprios bancos pediram que a gente não fechasse as agências, e avaliamos que isso causaria, de fato, transtornos grandes para a população. Mas isso não significa dizer que eles possam funcionar de qualquer jeito nesse momento de crise”, disse ACM Neto. 

O prefeito acrescentou que tem percebido aglomerações em bancos. “Temos percebido maiores aglomerações nos bancos, sobretudo nesse período de final e início de mês, quanto entram os pagamentos de salários. Mesmo essa medida de priorizar os idosos no atendimento entre 9h e 10h, o que não está resolvendo. A Prefeitura, inclusive, antecipou o pagamento dos vencimentos dos servidores inativos para evitar que eles se aglomerassem, mas o problema persiste. As pessoas precisam entender que, ao se aglomerarem, elas correm riscos. E os bancos precisam atuar para evitar isso. Por isso, a necessidade do decreto”, acrescentou o prefeito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui