O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, resolveu baixar um pouco a expectativa criada em torno da cloroquina, medicação de tratamento de malária que tem sido testada em casos graves de pacientes com covid-19. Anteriormente, Mandetta disse que os primeiros testes científicos com uso de cloroquina começaram a mostrar resultados positivos e a “ciência começa a achar o caminho” no combate à doença.

Nesta sexta-feira (3), porém, Mandetta disse que, após uma reunião com médicos especialistas que analisaram um primeiro trabalho científico publicado pelo New England Journal of Medicine, dos Estados Unidos, concluiu que o resultado não é tão promissor.

“O ‘paper’ (o estudo original a respeito da substância) é muito frágil no caso de cloroquina”, disse Mandetta. Ela tem sido defendida pelo presidente Jair Bolsonaro como um remédio eficiente para combater a doença. Nesta semana, sem a presença de Mandetta, Bolsonaro se reuniu com um grupo de médicos para tratar do assunto.

Ontem, Mandetta não mencionou a reunião, mas deu seu recado para Bolsonaro e para os que estiveram com o presidente. “Estou trabalhando com pouca gente, mas normalmente os ‘cabeças brancas’ aqueles que têm mais tempo e vivência, não só de sistema, mas de Medicina, onde a gente está discutindo algumas possibilidades em tempos de tantas incertezas.”

Independentemente disso, Mandetta disse que o Ministério da Saúde vai oferecer aos médicos do País a possibilidade de utilizarem a cloroquina como opção de tratamento não apenas para os casos críticos de pacientes, como tem ocorrido até agora, mas também para aqueles que estão em situação grave.

Conforme apurou a Coluna do Estadão, os especialistas em cloroquina que se reuniram com o presidente na quarta-feira o alertaram: os estudos brasileiros sobre o medicamento ainda devem demorar mais dois meses, no mínimo. O presidente da República tomou notas e falou pouco.

Como amplamente divulgado nas últimas semanas, os testes brasileiros devem acontecer em meio a um estudo internacional da Organização Mundial da Saúde (OMS) que a Fiocruz está liderando no Brasil. Chamado de Solidariedade, esse estudo será realizado em 18 hospitais em 12 Estados brasileiros, com foco em seis substâncias, entre elas estão a cloroquina e a hidroxicloroquina (uma versão atenuada do remédio antimalárico, mas que também está sob suspeitas na França, onde ocorreram as primeiras análises de eficácia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui