Fundador confirmou que os valores do roubo se aproximam dos R$100 mil

Depois da invasão e roubo em uma das unidades do Projeto Axé, localizada no bairro da Baixa dos Sapateiros, o fundador do projeto, Cesare de Florio La Rocca, não se conforma com o ocorrido.

“Você não imagina o sofrimento no meu coração. Queria dizer que, quando o pobre assalta o pobre, a esperança está destruída. O que esperar de um povo que rouba daquele que pouco tem?”, lamentou. 

Bandidos invadiram o espaço Augusto Omulu de Dança e Capoeira, como foi batizado, na madrugada da segunda-feira (6), e levaram o equivalente a R$100 mil. Entre os materiais, estavam computadores, instrumentos musicais e alimentos, além de uma “extensa lista de coisas”, como informou Cesare. 

Segundo a Polícia Civil ainda não há indícios de quem tenha cometido o crime, mas o caso já está sob investigação da corporação, que já solicitou ao Departamento de Polícia Técnica uma perícia no local. A investigação aponta que os invasores entraram pelo telhado do local.

“Foi confirmado que eles entraram pelo telhado e não pela porta principal”, informou Cesare ao CORREIO, que informou ainda que para acessar o prédio por cima, os criminosos seraram as grades que fechavam o local. 

Sobre o risco de invasão em outras unidades, o fundador do Projeto Axé afirma ser difícil, já que os outros locais são guardados por seguranças 24 horas. Agora, Cesare aguarda os próximos dias, quando sairão os resultados da perícia.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui