Frequentemente rotulada como “trouxa” nas redes sociais, Carla Diaz tem chamado atenção no “BBB 21” por causa do seu relacionamento com Arthur. Para o público, o instrutor de crossfit vem deixando claro com suas atitudes que não quer mais se envolver com a atriz, mas ela não percebe isso. Quando Carla foi ao paredão falso, o Brasil “eliminou” a sister com o objetivo de fazer ela enxergar um outro lado do capixaba, mas a atriz foi para o Quarto Secreto, viu muita coisa e voltou para o jogo cismada com Projota, decepcionada com Gilberto, com raiva de Viih Tube e ainda mais apaixonada pelo crossfiteiro. Carla chegou a se ajoelhar no gramado e perguntar se Arthur aceitava ser parceiro dela no amor e no jogo e, como resposta, ele disse: “Partiu”, sem grande entusiasmo. Desde que voltou do paredão falso, Carla tem sido muito criticada por se manter nessa relação vista como abusiva, mas será que é fácil enxergar o que o público vê através de várias câmeras? A Jovem Pan conversou com especialistas que estão assistindo ao reality para responder essa questão.

A psicanalista Manuela Xavier, que faz sucesso nas redes sociais com análises do programa, explica que o relacionamento que Carla vive com Arthur é abusivo e muitas pessoas não enxergam isso porque associam o abuso a violência explícita, como gritar e bater, mas o abuso é, na verdade, um tipo de exploração. “Se você tira proveito, se você se beneficia e não dá nada em troca, a relação é parasitária. É isso o que a gente vê com o Arthur. Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas essa relação passa a ser um problema quando ele escolhe, de forma abusiva, o silêncio. Ele não diz que não quer mais e ao mesmo tempo ele se beneficia dos carinhos dela sem dar nada em troca”, comentou a profissional, que citou como exemplo os momentos quentes que o casal teve debaixo do edredom e também quando ela ficou plantada ao lado do Big Fone para tentar salvar o seu affair do paredão.

Em uma conversa com Projota, na qual o rapper disse que percebeu que Carla realmente estava entregue à relação, Arthur disse: “Aqui dentro, acho que não consigo dar algo a mais. Ou ainda não é o momento. Isso pode mudar, sabe”. Para a psicóloga Isabela Santos da Anunciação, isso indica que até para as pessoas que estão próximas ao capixaba, ele não deixa claro que quer colocar um fim nesse relacionamento. “É muito difícil sair de uma relação abusiva até quando a pessoa enxerga o abuso, quando há violência e traição, por exemplo, porque há uma dependência emocional e a pessoa acredita na mudança ou espera que seu parceiro volte a retribuir o afeto”, explicou a psicóloga que ressaltou que, nesse caso, as pequenas rejeições de Arthur costumam vir acompanhadas de alguma atitude de carinho e, por isso, é mais difícil para Carla enxergar que o crossfiteiro não está se doando tanto quanto ela na relação.

Na visão de Manuela, Carla ignorou os sinais que teve no Quarto Secreto de que Arthur não quer continuar com ela. Quando a atriz saiu da casa, o instrutor de crossfit disse a Projota que poderia estar doido, mas a eliminação da atriz mostrava que ele não estava errado. “Ela saiu do programa brigada com ele porque ele estava sendo escroto com ela, então quando ele diz que se ela saiu é porque ele não estava errado, ela deveria entender o oposto, que ele estava errado, porque ela não saiu de verdade do reality, ela foi beneficiada. Por outro lado, quando ele disse que pensou em imunizá-la quando ganhou a Prova do Anjo, ela achou aquilo a declaração mais linda do mundo e se apegou a isso, mas a verdade é que ele não deu a imunidade para ela. Isso mostra que o que sensibiliza a Carla não são os sinais, mas as migalhas que o Arthur dá a ela.”

A paixão pode cegar uma pessoa?

Carla Diaz vive um relacionamento complicado com Arthur no BBB 21

Carla Diaz se declarou para Arthur quando voltou do paredão falso – Reprodução/Globo

Além de ser chamada de “trouxa”, muita gente diz nas redes sociais que Carla só pode estar cega por não enxergar os sinais de rejeição de Arthur que, para o público, são nítidos. Heloísa Capelas, especialista em autoconhecimento e inteligência emocional, explicou que a paixão pode, sim, cegar as pessoas, pois se trata de um transtorno psíquico. “A pessoa tem uma ilusão de que encontrou aquele sonho de ter uma pessoa que vai amá-la acima de qualquer coisa.” A especialista disse que esse desejo de encontrar um amor incondicional nasce ainda na infância e acompanha a pessoa até a vida adulta. “Quando encontramos alguém e temos a ilusão de que ela vai nos amar incondicionalmente, nos apaixonamos por essa pessoa e não enxergamos absolutamente nada de ruim nela, assim como temos certeza de que essa pessoa só enxerga a nossa melhor parte. Esse é um transtorno que passa. A paixão dura de três meses a um ano, não passa disso”, afirmou Heloísa.

Carla pode até estar apaixonada por Arthur, mas a especialista em inteligência emocional disse que como eles estão em um jogo, não dá para saber se Carla está usando essa relação para tentar se beneficiar no reality. Em contraponto, Manuela acredita que a história dessa relação não deve ser individualizada porque mostra comportamentos comuns de um relacionamento abusivo que é impulsionado por padrões sociais. “Carla está nessa situação porque há uma dinâmica social e histórica que empurra as mulheres para esse tipo de relação que desresponsabiliza os homens. A gente não pode colocar na conta dela que ela é ‘trouxa’ por estar correndo atrás dele, a gente precisa responsabilizar a sociedade que estimula as mulheres a isso. Socialmente, nós, mulheres, somos ensinadas que temos de batalhar por uma relação, que precisamos perdoar e compreender.” A psicanalista acredita que Arthur dá sinais de que não quer mais justamente para Carla cansar da relação e ter que tomar a atitude de colocar um ponto final em tudo, tirando a reponsabilidade de cima dele.

Relação com Projota

Arthur e Projota no BBB 21

Projota foi o grande parceiro de Arthur no ‘BBB 21’ – Reprodução/Globo

A identificação de Arthur com Projota no “BBB 21” foi muito grande e, devido a essa parceria, o capixaba deixou Carla de lado no jogo muitas vezes. Isabela comentou que não é certo “responsabilizar terceiros pelo comportamento de Arthur dentro do relacionamento”, e se o rapper não estivesse na casa, ele poderia ter se aliado a outro participante que não necessariamente fosse a Carla. Já Heloísa disse que, analisando de fora, o que parece é que Arthur se aliou ao cantor porque achou que essa relação daria a ele mais poder e força no jogo. “Ele pode ter uma personalidade insegura, que não acredita em si mesmo, que não dá conta de se posicionar e que tem medo do reposicionamento do adversário”, comentou a especialista em inteligência emocional.

Manuela ressaltou que considera problemático as pessoas relacionarem a parceria de Arthur e Projota a uma relação homoafetiva com o intuito de fazer piada. “Não se trata disso. A relação deles é uma relação de identificação masculina que funda os pilares da masculinidade tóxica. O que a gente vê ali é o que a gente vê na vida: a aliança masculina, homens se protegendo. Para o Arthur, o Projota é tudo o que ele queria ser, então ele fica em uma posição de submissão, ele queria ser aprovado pelo Projota e em nome disso ele fez muitos absurdos. A mesma aprovação que a Carla quer do Arthur, o Arthur quer do Projota, porque ele vê o amigo como uma referência, tanto que chegou a pedir para o chamarem de Projota Junior.” A psicanalista afirmou que a única coisa que pode fazer Carla abrir os olhos é ela conseguir recuperar a autoestima e o amor próprio.