A série “Pose”, considerada inovadora por colocar em uma produção televisa o maior elenco de atores transgêneros em papéis de destaque, chegará ao fim em sua 3ª temporada, que estreia no canal FX no próximo dia 2 de maio, nos Estados Unidos. A última temporada vai se passar em 1994 e os bailes parecem uma memória distante para Blanca (Mj Rodriguez), que agora precisa se equilibrar nas funções de mãe, auxiliar de enfermagem e parceira de seu novo namorado. Já Pray Tell (Billy Porter) sofre com problemas de saúde inesperados e a Aids volta a ser abordada na trama. Também terá o surgimento de uma nova casa que vai mexer com os ânimos dos membros da Casa Evangelista.

“‘Pose’ foi concebida como uma carta de amor para a comunidade underground que frequentava os bailes em Nova York, para minha amada cidade, para minha família queer e trans e para mim mesmo. Eu, junto com meus incríveis colaboradores, nunca tive a intenção de mudar o cenário da TV, eu simplesmente queria contar uma história honesta sobre família, resiliência e amor. Tenho a sorte de ter feito isso por três temporadas”, comentou Steven Canals, que divide com Ryan Murphy as funções de produtor executivo, escritor, diretor e co-criador da série, à Variety.

Ryan Murphy, responsável pelas séries “Glee”, “Ratched”, “Hollywood” e “História de Horror Americana”, comentou que “Pose” é um dos maiores “destaques criativos” da sua carreira. “Desde o início, tem sido um projeto apaixonante. Voltar ao início da minha carreira no final dos anos 90, quando era quase impossível colocar um personagem LGBTQ na televisão e chegar até ‘Pose’ – que ficará na história por ter o maior elenco LGBTQ de todos os tempos – é um momento verdadeiramente completo para mim. Este show fez história atrás e na frente das câmeras, e seu legado é profundo”, afirmou o premiado escritor.