Edir Macedo ungiu Jair Bolsonaro (Imagem: Reprodução / Instagram)

A Record continua surpreendendo com o posicionamento do seu jornalismo sobre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem o bispo Edir Macedo era aliado, oferecendo total apoio até poucos dias atrás.

Em um boletim do JR 24h, a emissora destacou uma reportagem do jornal The Economist, com as seguintes palavras: “Brasil em retrocesso com Bolsonaro”. Nas redes sociais, ninguém entendeu nada.

Algumas pessoas, porém, citaram a possível insatisfação da Igreja Universal, pertencente ao mesmo proprietário, por conta da briga entre a Angola e a instituição religiosa, sem interferência do Itamaraty.

“Quem diria que meia dúzia de bispos expulsos de Angola fariam a Record virar o fio?”, questionou um internauta. “A Record se vingando porque o governo não interveio na expulsão da Universal pelo governo de Angola”, apontou outro.

“Até a Record saiu do muro e a Juliana Paes não”, disse mais um, citando o posicionamento recente da atriz no Instagram. Vale lembrar que, na mesma semana, a emissora mostrou o panelaço contra Bolsonaro.

O JR exibiu vídeos de manifestações em Brasília, São Paulo e Fortaleza. No último vídeo, uma mulher gritou aos berros: “Fora, Bolsonaro!”.

O momento narrado por Luiz Fara Monteiro foi compartilhado pelo perfil do JR no Twitter e deixou a web surpresa. “Para a Record tá mostrando é que a situação fedeu”, ironizou um usuário da rede social.

“Se ela tá mostrando o mundo tá de cabeça para baixo”, disse mais um. “Que novidade é essa que a Record tá mostrando panelaço contra o Bolsonaro?”, questionou um terceiro.

Confira:

Lucas MedeirosLucas Medeiros

Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e escreve sobre o dia a dia da TV.

O post Após fazer campanha, Record expõe retrocesso do Brasil com Bolsonaro e confunde o público apareceu primeiro em RD1.